sábado, 16 de março de 2013

O FORMATO DA TERRA

Atualmente, não encontramos uma pessoa sequer que não saiba qual é o formato da Terra. No entanto, será que a mesma realmente sabe ou apenas acredita?

Nem sempre se divulgou que a Terra é redonda. Nosso planeta realmente é redondo? Discutirei o que sabemos sobre o formato da Terra e o que fez com que mudássemos de opinião.

No passado, grande parte da humanidade viveu em uma época onde o formato da Terra não era o mesmo que conhecemos, pelo menos acreditavam que não era. 

Os egípcios (3.150 a.C - África) acreditavam em uma terra plana sob um domo do céu.  Os babilônicos acreditavam que a terra era um ser vivo, cuja pele estava coberta de vegetais e rochas, supostas escamas de um “monstro”.

Os hindus acreditavam que quatro elefantes sustentavam a Terra, que teria o formato da metade de uma esfera e que ainda todos os elefantes seriam sustentados por uma tartaruga gigantesca!

Na Idade Média, dados históricos revelam que pelo menos parte da humanidade acreditou que a Terra era plana, crença esta que ficou conhecida como a “Teoria da Terra-Plana”.

Este período surge após o restante do conhecimento grego ser esfalecido do Império Romano no século VII. Conhecida como “Idade das Trevas” (600 d.C. até 1000 d.C), nesta época, alguns membros da Igreja Cristã publicaram trabalhos que defendiam a ideia de Terra-Plana. Entre estes, o monge cristão Cosmas Indicopleustes escreveu no ano de 547 d.C. o livro chamado "Topografia Cristã", no qual expunha sua visão geográfica do mundo baseada em interpretações literais da Bíblia.

Em seus escritos, Cosmas imaginava a Terra como um grande baú, sendo o firmamento (separação do mundo dos homens e de Deus) a "tampa" deste baú. Também existem passagens onde o monge ridicularizava a crença pagã numa Terra redonda, questionando o motivo das pessoas de ponta cabeça não caírem da superfície da Terra e a chuva que, supostamente, caia para cima. Assim como Cosmas, outros também defenderam esta ideia em prol da fé.

Alguns historiadores modernos acreditam que esta crença permeou apenas os mais ortodoxos religiosos na sociedade medieval, argumentando que a sociedade científica praticamente ignorou tais crenças, ou no mínimo encarava com pouca seriedade nos círculos intelectuais, enquanto que a sociedade se mesclava.

Joanes de Sacrobosco, professor de Astronomia da Universidade de Paris publicou o “Tratado da Esfera Terrestre” em 1473, que supostamente teria sido muito utilizado pelos portugueses durante a Era das grandes explorações, segundo historiadores modernos. O que sugere que os navegantes daquela época não tinham motivos para acreditar em uma Terra-Plana.

Também se tem o conhecimento da obra "Crônicas de Nuremberg, de Hartmann Schedel, que conta a história ilustrada do mundo desde o Gênesis até a sua publicação em maio de 1493, antes que a descoberta da América fosse conhecida. Nesta obra, a esfericidade da Terra era um fato tão bem estabelecido quanto o Geocentrismo.

O historiador Jeffrey Burton Russel, no livro "Inventing the Flat Earth" ("Inventando a Terra Plana" - 1991), procurou os responsáveis pela propagação do mito e, supostamente, descobriu dois culpados: o francês Antoine-Jean Letrone (1787-1848) e o americano Washington Irving (1783-1859).

Letrone, um historiador muito respeitado, mas com um grande preconceito religioso, foi responsável por atribuir à "Topografia Cristã" de Cosmas Indicopleustes uma importância histórica que a obra nunca teve, concluindo que todos na Idade Média acreditavam que a Terra era plana.

Washington Irving, por outro lado, era, antes de mais nada, um romancista. Irving é autor, por exemplo, da famosa história "A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça".
 
No artigo do pesquisador Owen Gingerich, "Astronomy in the Age of Columbus" ("Astronomia no Tempo de Colombo"), publicado na revista Scientific American em novembro de 1992, logo após a revolução americana, Irving estava procurando por um herói não inglês para contrapor ao famoso explorador inglês Sebastian Calbot, o primeiro homem a chegar ao Polo Norte, e de maneira visionária enxergou em Cristovão Colombo a pessoa certa.      

Na biografia de Cristovão Colombo, "Columbus", publicada em 1828, Irving descreve um episódio real, onde o Conselho de Salamanca em que Colombo apresenta seu projeto a um grupo de religiosos e leigos, no entanto ‘enriquece’ a narrativa afirmando que Colombo foi acusado de heresia por sustentar que a Terra fosse redonda - o que supostamente seria contrário às Escrituras Religiosas.

É bem aceito por historiadores que Colombo sofreu sérias objeções das autoridades presentes, mas a questão nunca foi se a Terra era ou não redonda, e sim o tamanho da mesma. 

Colombo supunha que a Terra era muito menor do que é na realidade. Considerava esta com apenas 20% de seu tamanho real, enquanto seus opositores diziam ser impossível chegar às Índias percorrendo apenas determinada distância.

Observamos que os opositores de Colombo estavam corretos, e, provavelmente, se a América não estivesse no meio do caminho de Colombo, o mesmo e sua tripulação teriam morrido sem recursos a caminho.

A narrativa conforme floreada por Irving transformou o debate de Salamanca em um símbolo da luta entre o campeão da liberdade científica e o dogmatismo teológico, e por fim, acabou caindo no gosto popular.        

Letrone deu ao mito da Terra-Plana sua base história, enquanto Irving, sua carga emocional. Mas o mito realmente se estruturou após John Draper (1811-1882), um físico anti-católico, publicar em 1873 o livro "A História do conflito entre a Ciência e a Religião", utilizando o mito da Terra-Plana. Permeando-se até começar a ser questionado no início do século XX.

De qualquer forma, os gregos já pensavam e discutiam o formato da Terra bem antes da Idade Média. Imaginando uma Terra esférica, temos os principais argumentos vindos de Aristóteles.

Argumentos estes, que, mais tarde, seriam reincorporados por São Tomás de Aquino (1225-1274), um dos expoentes da teologia cristã, tornando-se o grande responsável por embutir a ciência, a filosofia e a cosmologia de Aristóteles no cristianismo. Através de relíquias, de alguma forma guardadas pelos Árabes – apesar de toda a destruição da Grécia -, Tomás transformou Aristóteles no suporte filosófico de toda a doutrina cristã. A partir daí, questioná-lo era o mesmo que questionar a própria existência de Deus.

Assim que tiveram contato com as obras de Aristóteles, os intelectuais cristãos se encantaram de imediato com a complexidade e sofisticação filosófica do pensamento aristotélico. Aristóteles não escrevia somente sobre o mundo natural, mas sobre ética, teatro, política, matemática, e muito mais – todos com uma profundidade e um rigor lógico ímpar. A reverência por Aristóteles era tamanha que ele era chamado simplesmente "O Filósofo".

O Filósofo acreditava que todas as coisas eram formadas por combinações de quatro elementos: terra, água, fogo e ar, e que cada um destes possuía no universo um "lugar natural". 

O lugar natural do elemento "terra", supostamente mais pesado do que todos os outros, seria o centro do universo. 

Argumentando que, uma vez que todas as coisas sólidas eram formadas por este elemento, e como todas tinham igual tendência em estar o mais próximo possível do seu lugar natural, Aristóteles concluiu que a forma da Terra deveria ser esférica. Em seu livro "Sobre os Céus", depois de uma longa argumentação, Aristóteles finaliza:

"Sobre a posição da Terra e da maneira de seu repouso ou movimento nossa discussão pode aqui terminar. Sua forma deve necessariamente ser esférica". Aristóteles

Pensamento este que já vinha de Platão, mestre de Aristóteles, que também pensava a Terra em sua forma esférica. Em seu diálogo, "Fédon" diz: "Minha convicção é de que a Terra é um corpo circular no centro dos céus".

É importante notar que quando o mesmo diz a palavra “convicção” significa especialmente que ele não sabe, especialmente, se está correto, mas é onde todo o seu raciocínio, argumentar e pensar o levavam. Naquela época, a grande ferramenta que existia na construção de conhecimento era a argumentação.

Percebemos que os gregos não eram nada ingênuos, mas estavam corretos? Não, o que não significa que não fizeram um trabalho extremamente valioso. Inclusive, não podemos afirmar o quanto estamos corretos.

E o que sabemos do formato da Terra:

A Terra não é redonda como os famosos “globos terrestres” nos indicam, embora praticamente todas as representações a mostrem como perfeitamente esférica. Buscando fugir disso, muitas referências mencionam que a mesma não é esférica e sim um elipsóide, ou ainda “oval”.

Ainda assim, isso não é verdade.

Pensando em um modelo físico do formato da Terra, Carl Friedrich Gauss, nomeou a mesma de “geóide”. 

A superfície “geóide” é irregular, diferentemente do conceito esférico e elipsóide. De fato, a Terra é achatada nos pólos e convexa nas laterais, como uma elipsóide, mas também possui protuberâncias significativas nas laterais. Este formato tão peculiar da Terra se dá devido a seu campo gravitacional.

Através do Explorador de Campo de Gravidade e Circulação Oceânica em Órbita Estacionária, um satélite lançado pela Agência Espacial Europeia (ESA) com o objetivo de medir o campo gravitacional e a circulação oceânica, podemos ter uma representação do nosso planeta.

Caso a Terra fosse perfeitamente esférica, sem nenhuma elevação significativa, (montanhas, cordilheiras etc.), o campo gravitacional, isto é, a força de atração que o centro da Terra exerce sobre você seria igual em todos os pontos.
 
Assim, a grande massa dessas elevações altera o campo gravitacional, sendo o mesmo diretamente proporcional ao produto da massa entre os dois corpos que estão atraindo-se mutuamente. Você é atraído pelo centro da Terra e também pelas montanhas ao redor. 

De modo similar, uma parte da Terra atrai a outra, e vice-versa. Por esta razão, a aceleração da gravidade, chamada de 'g' pelos físicos, não é a mesma em todos os lugares da Terra. 

Qualquer um que estudou sistemas de decomposição de força compreenderá com facilidade que quando temos duas forças concorrentes com direções e sentidos diferentes, a trajetória e intensidade da Resultante (soma vetorial das forças) serão diferentes. 

Reconhecida primeiramente por Newton, a rotação da Terra sobre seu eixo também é uma evidência impar de que a Terra não pode ser uma esfera perfeita. Embora o movimento de rotação da Terra tenha sido identificado por Aristarco de Samos.

Conforme a Terra rotaciona sobre seu eixo, a superfície da Terra é continuamente levada a uma aceleração direcionada internamente para o centro da Terra (assim como lua faz rotacionando sobre a Terra). Neste momento, a Terceira Lei de Newton é posta em jogo. O centro da Terra exerce uma força constante sobre as camadas externas da Terra para manter a aceleração interna constante conforme o planeta rotaciona. A face das camadas exteriores, portanto, pela ação e reação, exercem uma força externa do centro da Terra. A força direcionada internamente é chamada de força centrífuga.

Além do movimento de rotação da Terra sobre seu eixo, temos também como resultado o alongamento da substância da Terra. Imagine uma corda se alongando da superfície até o centro da Terra, com a superfície da Terra puxando exteriormente em uma extremidade da corda, e o centro da Terra puxando internamente na outra extremidade.
 
Esperariamos que a corda se alongasse em uma certa quantidade; A substância da Terra faz exatamente isto. 

Se cada ponto da superfície terrestre estivesse em rotação na mesma velocidade, o alongamento seria o mesmo em qualquer lugar e a Terra poderia ser, portanto, uma esfera perfeita. Entretando, a Terra rotaciona sobre um eixo e, quanto mais próxima uma particular porção da superfície está do eixo, mais devagar ela rotaciona. Nos pólos, a superfície da Terra toca o eixo e a velocidade da rotação é nula (não existe). No Equador, a superfície terrestre está a uma máxima distância do eixo e a velocidade da rotação é mais alta.

A interação das forças é zero nos pólos e aumenta suavemente conforme  o Equador se aproxima, o "alongamento" também aumenta, e uma protuberância (convexidade) aparece na Terra, que alcança o tamanho máximo no Equador. Por causa desta protuberância equatorial, a distância do centro da Terra no nível do mar no Equador é de 21km maior que a distância do centro da Terra ao nível do mar em ambos os polos.
 
A força gravitacional muda de região para região, não só por causa da topologia do terreno, mas também pelo movimento da grande massa de água em circulação. Assim, através do GOCE, temos um mapa de como são as forças gravitacionais em torno de nosso planeta também em função das circulações oceânicas.

Abaixo, um vídeo do GOCE com uma representação tridimensional da Terra.


 
Um grande motivo da crença em um planeta esférico surge da primeira viagem espacial onde o russo Yuri Gagarin afirmou:

 “A Terra é azul!”

Anos depois,  fotos e imagens de satélites, mostravam um planeta redondo. Acontece que as imagens de satélite levam em conta a água dos oceanos e a atmosfera, somados a um pouco de gás e o planeta parece redondo e azul.

Espero que através desta compreensão histórica e detalhista sobre um tema muitas vezes visto como insignificante, a mesma possa ajudar-nos a repensar sobre o que sabemos, como sabemos e o que acreditamos que sabemos. 

28 comentários:

  1. Respostas
    1. O CARA FALA QUE A TERRA É UMA GEÓIDE TODA IRREGULAR. DEPOIS NOS MOSTRAM IMAGENS DE UMA ESFÉRA ISSO É CHAMAR O POVO DE OTÁRIO DAS DUAS É UMA OU OS CARAS NÃO SABEM O FORMATO DA TERRA POIS NUNCA ESTIVERAM ALTO O SUFICIENTE OU ELES NOS ENGAMAM; E AINDA O POVO ACHA QUE ESTÁ TUDO CERTO , ISSO É MAIS IMPRESSIONANTE!!

      Excluir
  2. Respostas
    1. ninguem te perguntou o idiotaa

      Excluir
    2. Não podemos julgar o próximo como idiota quando ele expõe sua opinião ;-;

      Excluir
  3. Mas ela é oval!!! Certo!!!

    ResponderExcluir
  4. Agua faz parte do planeta terra... se esta em seu lugar, torna o planeta terra redondo. Ela é com certeza redonda. Em contra partida... se não estivermos falando dum planeta e sim... apenas da terra como matéria sólida descartando a agua ela com certeza não é uma esfera, isso é fato.

    Mais se tratando de um planeta... Ele é redonda e sempre será.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. usando a sua lógica, a terra também contém a atmosfera. então precisamos redesenhar a terra a partir da sua atmosfera.

      Excluir
    2. amigo tenho pensa de alienados como vc, a terra definitivamente não é redonda, papo furado!

      Excluir
  5. kkkkkkkkkkkkk, acho que não. Amigo

    ResponderExcluir
  6. a terra é plana!!vão pesquisar! comessem pelo logo da ONU!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A terra é plana pois a água sempre procura o nível e num planeta esférico não existe isso. Quem diria tanta enganação por tanto tempo

      Excluir
    2. ainda tem babaca acreditando em terra plana mds

      Excluir
    3. sun luz seu animal a gravidade da terra do centro dela puxa a agua pra baixo fazendo ela ficar em um nivel e tipo --__-- se tiver um buraco assim a agua vai tenta entra dentro e ficar todo o resto no mesmo nivel a gravidade puxa ela

      Excluir
  7. interessante sua teoria muito bem estudada,,,só que o sol não parece ta tao longe quanto falam ,,,oque você acha disso ? pode fazer uma pesquisa dessa pra gente .....

    ResponderExcluir
  8. A água nunca fará curva nenhuma,cade a curvatura da terra,infelismente fomos todos enganados,porque tudo que vemos é plano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. como vc esplica agente n conseguir ver o horisonte? parecendo q faz uma curva pra baixo? e ai?

      Excluir
  9. Quer dizer que então a NASA concorda que a fotografia da terra é uma farsa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concorda. basta procurar aqui a resposta https://eol.jsc.nasa.gov/FAQ/default.htm#focalLength

      Excluir
  10. Se a TERRA fosse uma esfera ou algo parecido teria que ter várias rotações, pois o perímetro circular no equador é um, nos trópicos é outro e nos pólos é outro, pensem que para se completar as 24 horas a rotação não pode ser a mesma, pois as distâncias são diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Santa mãe de Deus, prometi que não iria comentar aqui hj, mas lendo tamanha barbaridade e falta de estudo mínimo de física ou matemática, não resisti, tá explicado pq o país está nessa merda, se tem essa ideia de um Globo imagina na hora de votar

      Excluir
    2. residente escravo man esses cara sao maluko eles parece q n entende de gravidade eles fala ''como a terra e redonda e a agua fica no mesmo nivel '' esses cara fuma cachaça ou sei la como escreve pq a gravidade puxa a agua pra baixo fazendo ela tenta fica no mesmo nivel pq n e possivel ter uma agua assim: ----__---
      ela vai tenta ficar do mesmo nivel

      Excluir
  11. VAO SEFERRAR SEUS OTARIOS





    ResponderExcluir
  12. A ideia de terra redonda é uma invenção da burguesia para vender globos terrestres e bolas de isopor escolares para o proletariado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "terra redonda é um conceito ideológico da burguesia pra vender mapa," oi?
      amiguinho antes de afirmar uma coisa dessa estuda esse tema, procura saber sobre o comportamento da água em um local sem gravidade.
      eu aqui me mato de de estudar o todo dia pra concluir minha faculdade e vem um cara desses falar que aterra não é esférica, a parti de uma pesquisa de meia hora no google.
      vai entender os conceitos básicos da física e estudar geografia.

      Excluir